Tecnologia que venceu Prêmio Capes de Tese está disponível para transferência ao setor produtivo

0

A tese intitulada "Naringenina reduz inflamação e dor: efeito sobre o fator Nuclear KAPPA B e via analgésica do Óxido Nítrico Patologia Experimental EU", orientada pelo professor Waldiceu Aparecido Verri Junior, do Departamento de Ciências Patológicas da Universidade Estadual de Londrina (UEL), está entre os vencedores do Prêmio CAPES de Tese Edição 2017, outorgado às melhores teses de doutorado defendidas em 2016. Essa tecnologia está disponível para transferência ao setor produtivo. Os interessados podem conferir mais informações sobre o produto neste sumário. Todos os trâmites para a trasnferência de tecnologia podem ser viabilizados pela Agência de Inovação da UEL (Aintec).

A tese é de autoria de Felipe Almeida de Pinho Ribeiro, e foi defendida dentro do Programa de Pós-graduação em Patologia Experimental. A tecnologia está disponível para transferência ao setor produtivo. O resultado do Prêmio foi divulgado na última semana pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

Ribeiro fez doutorado-sanduíche e desenvolveu as pesquisas na UEL e na Universidade de Harvard. Hoje, ele faz pós-doutorado na universidade americana na área de interação neuro-imune.  

O Prêmio consiste em diploma, medalha e bolsa de pós-doutorado nacional de até 12 meses para o autor da tese; auxílio para participação em congresso nacional, para o orientador, no valor de R$ 3 mil; distinção a ser outorgada ao orientador, coorientador e ao programa em que foi defendida a tese; além de passagem aérea e diária para o autor e um dos orientadores da tese premiada para que compareçam à cerimônia de premiação.

A cerimônia de entrega dos prêmios deverá ocorrer no Centro Internacional de Convenções do Brasil – CICB, Brasília, dia 7 de dezembro deste ano. Na avaliação do professor Waldiceu Aparecido Verri, o Prêmio CAPES de Tese é uma importante iniciativa que estimula o trabalho e o esforço de alunos, pesquisadores e professores. "Ações deste tipo fomentam a pesquisa e reconhecem o nosso trabalho", completa o professor.  

Com informações de Agência UEL de Notícias

Compartilhe.

Deixe Uma Resposta